A diferença entre anti-partido e sem partido

Semana passada foi bem confusa. Teve até Cristovam Buarque pedindo a volta do AI-2.

Até aí tudo bem. Falar besteira no parlamento é algo até comum. O problema mesmo é que entrou muita gente (principalmente de esquerda, vejam bem que esquisito), tentando equalizar as pessoas que querem manifestações sem partido aos milicos.

E a banda não toca por aí.

Só porque eu não gosto das cervejas brasileiras, não quer dizer que eu seja anti-cerveja.

Eu bebo sim

Eu bebo sim

Do mesmo jeito, se eu não concordo com a ideologia de nenhum partido brasileiro, não quer dizer que eu seja a favor da extinção deles. Na minha humilde opinião, o PSTU tem o direito de falar (besteira), o PT tem o direito de se expressar (mal), o PSDB tem direito de dizer o que quiser (mesmo que eu não concorde), e o PMDB até calado tá errado. E que continuem falando.

O povo tem vontade de falar. Repare bem a quantidade de pessoas que não discutiam política, e agora só falam nisso.

A incoerência é essa mesmo. Estamos todos com muitas opiniões sobre um monte de coisas, mas ninguém sabe exatamente quem é quem, ou quem defende o quê. Chegamos ao absurdo de todo mundo se dizer de esquerda, e defender ideias de esquerda, mesmo que não.

Se os partidos conseguissem explicar melhor o quê defendem, talvez até ficasse mais fácil. PT é ruralista ou defende os índios? PC do B é comunista ou pelego da FIFA? PMDB quer dinheiro ou quer ficar com o governo? A ARENA é Camarilla ou Sabbat?

O problema é até que eles falam muito, mas escutam pouco. E talvez seja por isso que as ruas estejam cheias de gente de saco cheio, contra tudo o que está aí e mais alguma coisa. E também cheia de gente contra algumas coisas e a favor de outras. Mas escutar mesmo, acho que os partidos estão surdos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.