Mais reflexões sobre promoção no twitter – continuação de ontem

Problema: ainda estamos testando o que funciona nas redes sociais.
Quando inventaram o cinema, os filmes antigos não tinham a mesma linguagem dos de hoje. Pareciam teatro filmado, e tinham sequências absurdas, como aquela famosa do carro que atravessa a parede da casa e entra na sala de jantar, que temos que ver dos dois lados para entender. A internet ainda não tem suficientes modelos pré-estabelecidos para que saibamos o que vai funcionar e o que não.

Por isso devemos testar, testar, testar, criar coisas novas e procurar sempre fazer diferente. Para encontrar o que funciona.

Entretanto, uma coisa é certa: quando algo não está funcionando, não adianta repetir até que funcione. É difícil convencer todos os entornos profissionais a ficar tentando inovar o tempo todo, mas é atualmente a parte mais importante do nosso trabalho.

Já fiz uma promoção de RT que dava uma licença permanente de um software que é vendido a 700 euros. Não conseguiu NENHUM. Tirem suas próprias conclusões.

Promoção não agrega muito à marca? Não, mas vende. E a gente quer vender.
Dirceu reclamou que ninguém lembra das promoções que participa. Eu também reclamei, no começo deste texto.

Mas não podemos esquecer que, se o objetivo do cliente for vender, há promoções que funcionam. Compre um caminhão de móveis, um merchandising na Globo, contrate uma estrela da música popular e faça um sorteio. Milhões de pessoas vão comprar seu produto.

Vão lembrar da sua marca? Não. Mas era isso que você queria? Reflitam, com o responsável pelo briefing, com o cliente, com o diretor de criação. Onde raios você quer chegar com a sua ideia?

Twitter como canal. Qual é o valor de chegar aos TTBr?
Tem gente que defende muito o twitter. Tem gente que detesta.

Eu acho que os dois estão errados.

Defender o twitter é como defender o martelo. O martelo, ferramenta muito mais importante para a história da humanidade que o site do passarinho, é um objeto completamente inútil se você estiver tentando enfiar um parafuso numa mesa de madeira (exceto se você for um grosso estúpido).

Se você negar a utilidade do martelo, é um idiota. Ele é necessário, de vez em quando. Se você for um defensor do uso do martelo para resolver todos os seus problemas, saia de perto de mim.

O twitter é igual. Se, e somente se, os seus clientes estiverem no twitter e tiverem interesse em interagir com a sua marca, ele é útil. Se não, é perda de tempo.

Chegar aos TTBr pode parecer bonito, se você for o Aston Kutcher ou aspirante a BBB, mas como diria Vinicius de Moraes, “e daí?”.

O cara mais seguido do twitter no Brasil é o Mano Menezes (ou não, nem lembro mais, e nem ligo). O Luciano Huck conseguiu um porrilhão de seguidores sorteando televisões, enquanto @ocriador conseguiu não sei quantos sendo engraçado. Só que cada um deles quer alguma coisa diferente das pessoas que os seguem.

Enfim, lembrem-se sempre que o número de seguidores, RT, listas, etc etc etc, não significa nada em absoluto, mas precisa ser relativizado e comparado. Até porque, como diria Jesus Cristo, nem todo seguidor é bom.

Este post é uma continuação do de ontem.

0 Comments on “Mais reflexões sobre promoção no twitter – continuação de ontem”

  1. Bacana o post, depois penso em algo a respeito pra discordar ou concordar. Li por alto, nao deu pra formular uma defesa ou uma contestação xD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.