Por que escrever é tão difícil?

Descobri via comunique-se que a maioria dos brasileiros é analfabeta. Eu tinha a ligeira suspeita, mas nada tão grave como o Jornal Nacional dizendo pra todo mundo, com todas as letras.

Quando os estudantes de jornalismo começam a achar que a língua portuguesa não é importante e o mercado começa a dizer que é difícil encontrar alguém que escreva corretamente, a porca torce o rabo.

* Nota pra atrapalhar meu texto: o revisor automático do editor de texto queria corrigir aquele corretamente ali em cima. Daí fica a dica: quem precisa deu um programa pra escrever bem não vai conseguir.

Escrever não é só gramática, não são só as regras ortográficas. É saber ordenar o raciocínio, arrumar as palavras e, se possível, ter estilo. O problema é quando normalmente acha que escrever é só estilo.

Pra escrever bem, é preciso ter cuidado (porque deve andar perto uma mulher*)

Corrigir texto nem é tão complicado assim. É só ter atenção ao detalhe. Até o Word acerta 80% das vezes. O problema é que a máquina corrige erro de digitação, alguma besteira gramatical MUITO grande, mas não entende as exceções. Ela pode entender que a frase transcrita na matéria do Comunique-se foi mal digitada (““Eu levei um susto, não imaginava. Eu pensava que o que fosse ser um diferencial fosse ser o meu inglês, a língua que eu tenho extra. Mas, eu vi que o portugûes é um diferencial e é complicado”), mas não entende que a última palavra deste parágrafo está correta.

O segredo é ler pra caralho

Mentira, pô. O segredo pra aprender as regras é ler as regras. E depois praticar, raios.

Se você não viu o vídeo do começo deste texto, a maioria dos estudantes de jornalismo não sabe escrever. Vocês são ingênuos o suficiente para acreditar que antigamente era melhor? Rárá. A maioria dos jornalistas escreve mal mesmo, pô. Os publicitários, pior ainda.

Os formados em Letras aprendem a enrolar.

Se todo mundo lê textos errados, não aprende a falar corretamente. Logo, é virtualmente impossível deduzir as regras gramaticais se você tem pouca experiência de leitura, e quase toda ela está feita em textos malescritos.

Leia textos velhos, que estão corretos. Ou sei lá, procure alguém que saiba como está falando. Ou não. Simplesmente desista. Escrever é árduo, chato e complicado. Quem quer escrever certo é masoquista.

Tarrask é chato, não existe jeito certo de escrever, #mimimi

É. Sou chato. E vivo escrevendo errado. A diferença é que eu não gosto e tento corrigir. Não corrigir os outros, mas corrigir o meu texto. Lendo e relendo, mudando e voltando atrás, conferindo versões e olhando o pai-dos-burros.

Mas existem regras pra escrever. Do mesmo jeito que existem regras para dirigir. Todo mundo escreve, todo mundo dirige, mas você, pequeno centro do universo, não é Ayrton Senna. Ele não errava as vírgulas, nunca. Quando errou, vocês sabem a história. Então prestem mais atenção no que escrevem, pra não baterem numa Tamburello linguística.

Pior é alguém que acha que fala inglês bem, mas não sabe português. O conselho que eu deixo é: você não sabe português bem. Eu considero o meu espanhol bastante razoável, e todo dia eu aprendo que ainda não é correto. Todo santo dia a revisora da agência pensa em me matar, ou me olha condescendente.

Tu vai, presente pra você

Aí, a @marianarrpp vem e solta: “mas bá, tchê, tu não pode ser tão radical, lá no Sul a gente fala tu.” É. E em Portugal eles falam “a gente vamos”, lindamente. Aliás, em espanhol isso é mais do que correto.

Do mesmo modo, se eu dou um presente para ti, o correto também seria dar-lhe um presente para si, e não para você. Mas cada grupo de pessoas escreve de uma maneira, tem regras locais e tudo o mais.

A gente aceitamos que você fale assim. Desde que saiba porque está fazendo isso. Porque está saindo da norma culta. Aí você estará escrevendo conscientemente, e não simplesmente tocando de ouvido.

Um pequeno exercício: quais são seus pontos fracos?

Você sabe quais são as partes da língua que não usa bem? Eu odeio a regra dos porquês, detesto colocação pronominal (que quase aprendi falando espanhol, mas tergiverso) e odeio a regra de estilo de não repetir muitas vezes a mesma palavra (mas tergiverso).

Em compensação, por saber onde erro mais, fico mais atento quando escrevo. É uma dica pra posteridade.

Distraídos venceremos

A frase é do Mário Quintana, se não me engano. Ele podia até vencer, mas garanto que não escrevia distraído.

0 Comments on “Por que escrever é tão difícil?”

  1. “Quem quer escrever certo é masoquista.”

    haha, falo nada. 😉

    Vc falou uma coisa certíssima. Ler bastante é primordial para escrever bem. Mas não adianta ler textos mal escritos. Tem que ter critério, e acho que isso é o mais difícil de conseguir e a escola muito mal (ou praticamente nada) consegue ensinar. Ter critério é ter noção, e não dá pra ter “noção” em português se não souber das regras para saber como e quando quebrá-las.

    É por essa “noção”, pelo conhecimento das regras e por muita muita leitura (ah, e consulta ao dicionário sem vergonha nenhuma) é que a gente nunca vai escrever ediondo ou obssecivo pq tem familiaridade com a língua. Sei lá, fica quase intuitivo. E é a nossa língua mãe, porra. Essa futura jornalista que achou que o diferencial seria o “idioma extra” foi de doer.

    E seus posts são SEMPRE uma ótima leitura 🙂

  2. Não sou da área. Jornalismo, publicidade, letras. Mas lembro com saudade das provas de redação no colégio. Um tema e um tempo para escrever sobre ele. Não fazia rascunhos. As idéias não precisam estar no papel para existir. No máximo desenhava algo que iria me nortear pelo texto.
    Depois de pensar nos grandes blocos – introdução, desenvolvimento e conclusão – ia detalhando cada um e, quando me dava por satisfeito, gastava tinta para psicografar minha mente (uia!).
    Acho importantíssimo isso. Pensar bem antes de escrever. Gostaria de fazer isso com as palavras que falo, mas a urgência do diálogo é proibitiva.
    É é essa urgência que parece permear os meios de comunicação em massa. Tem que ser o primeiro a falar, mesmo que se fale besteira.
    Uma notícia mal escrita pode começar um boato, se propagar rápido e fazer uma cidade inteira parar pelo pânico coletivo.
    http://ne10.uol.com.br/canal/cotidiano/grande-recife/noticia/2011/05/05/boatos-sobre-transbordamento-de-tapacura-paralisam-transito-em-recife-270131.php
    Profissionais de comunicação deveriam se espelhar nos Ents de Tolkien e só abrir a boca/escrever quando realmente valer a pena.
    Ps.: esse texto foi escrito no Notepad

    1. Concordo em gênero, número e grau.

      E o pior, Telmo, é que, quanto mais eu estudo escrita, literatura, retórica, mais eu aprendo que isso de redação de colégio é básico, mas daí pra escrever bem, há um mundo de distância, mas que a maioria das pessoas que vive de escrever nem isso faz.

      Talvez por você programar, tenha uma capacidade muito maior de preparar uma narrativa, mas tergiverso. 😛

  3. Jamais chegaremos a um consenso, hoje em dia tá cheio de neguinho achando que escreve bem e a prolixidade e idiotices correm soltas, mas eu acho que a Velk escreve muito bem e você também.
    Ah., o corretor não pegaria este errinhbo: “quem precisa deu um programa pra…”

    Peguei sem querer. 😉

    Abs

    1. Alguém escreve sobre português, eu corrijo. Aí você me corrige. Aí você se auto-corrige. E assim vamos, escrevendo com erros pela vida. Ninguém escapa. 😛

      1. Tarrask, faz um post choramingando que agora Aline Valek tá sendo mais citada que você em todos os posts!

        😛

  4. só hoje vi essa referência a mim nesse texto (estava no meu read it later até hoje). poxa tarrask, TU tem que me avisar 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.