Quanto custa um seguidor no twitter? E um fã?

Encontrei um post no Yorokubo que dava uma boa hora de conversa com um marketeiro das antigas.

É sobre uma conferência com Jaime García Cantero que aconteceu aqui na Espanha, na qual ele falava sobre a miopia de algumas marcas que criam objetivos errados nas redes sociais e depois se estabacam.

Um fã não é um ponto no Ibope, nem um eyeball

Antigamente, media-se publicidade por eyeballs. Quantidade de olhos que viam a sua mensagem.

Nas redes sociais não é assim, pô. Há dez anos, fazia-se a conta que cada visita numa página era uma pessoa, afinal todo mundo usa o computador só.

Menos no Youtube. Eu quase nunca vejo vídeos no meu computador. Hábito mesmo, o Youtube é estrela de festa. Quando tá todo mundo bêbado e começa a mostrar as coisas que viu. Viraliza? Sim. Dá pra medir? Não.

Aí, entramos na velha discussão de medidas

É melhor um fã que um seguidor? É melhor uma visita ao site ou à página? É melhor?

No fim, é tudo a mesma coisa

A pergunta de sempre é: o que o consumidor faz depois de ver a sua mensagem. O que ele faz no seu site? O que ele faz com o seu twitter? Ele te segue só porque quer followback ou porque quer ter ajuda em caso de problemas?

Ele vai comprar? Ele quer assistência.

Descubra o que ele precisa e faça.

O resto, na comunicação, é ruído.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.