Redes de audiências: pescando a atenção dos consumidores

Rede de audiências
Já começa-se a falar no conceito de redes de audiências, que seria um grupo de pessoas que assiste um determinado conteúdo, mas não necessariamente em um canal. O pessoal que vê o Faustão é audiência. A galera que vê BBB na internet, no twitter, na tv a cabo e compartilha vídeos no YouTube seria uma rede.

Qual é a vantagem? Qual a desvantagem?
Vejam, por exemplo, o caso de Lost. A história é contada, principalmente, em episódios na televisão. Mas a produtora, os realizadores, ganham dinheiro através de muitos canais, e por isso também produzem conteúdo para todos eles. Há coisas em sites, bonecos, gibi, livros, etc. Eles entenderam que o público não está preso ao veículo, logo, a história deles não precisa estar presa.

O problema deste novo tipo de conteúdo é a dispersão. Eu adoro Lost, mas não tenho tempo de ficar jogando todo ARG que os caras criam. Nem de comprar gibis, ou discutir em fóruns online. Dependendo do conteúdo, ou da marca, ou do objetivo dos criadores, poderia não ser público-alvo. Além disso, é muito mais caro e trabalhoso criar conteúdos interligados em muitas redes de audiência do que simplesmente seguir um roteiro de televisão, desses que há milhões de formas de fazer.

Nem toda rede de audiências é planejada
Ou 100% planejada. O grande problema de lidar com massas de pessoas que podem escolher à hora que quiserem participar ou não da interação com a sua marca ou campanha é que é praticamente impossível saber se vão visitar o seu site, reenviá-lo a um amigo ou mesmo falar mal. Por isso, é importante um grande conhecimento em psicologia e demografia, para entender o público, e principalmente, sorte.

Onde eu compro uma rede de audiências para mim?
Este é o grande problema: estas redes são fragmentadas de acordo com os interesses das pessoas. Não existe, nem nunca mais existirá, um programa tão massivo e forte como um jornal da noite, com as notícias do dia, do jeito que acontecia dos anos 60 a 90. O público tenderá a receber as informações cada vez mais fragmentadas temporalmente.

O que vai unir estes públicos é uma só coisa: conteúdo. No caso de Lost, é a história, o mistério, a maneira de contar, que une todo o público. Em um MMORPG, é a possibilidade de estarem todos jogando ao mesmo tempo na hora que queiram. Mas não adiantará copiar a estrutura. Será necessário criar uma história no mínimo tão interessante quanto a concorrência, para que a sua marca tenha uma rede de audiências forte.

Para isso, é bom contar com bons contadores de histórias.

0 Comments on “Redes de audiências: pescando a atenção dos consumidores”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.