Sommelier de bosta

Merda. Um assunto extremamente interessante, e que nós aprendemos que não devemos falar à mesa aproximadamente quando começamos a aprender a falar.

Exceto, óbvio, se você tiver um recém-nascido na família.

Nesta situação, surgem os bostólogos (ou bostologistas, em pt_Br), sommeliers de bosta e doutores em Resistência e Condutividade Fecal, dispostos a proclamarem imensas dissertações sobre a consistência, coloração, conteúdo, cheiros e sabores dos restos fecais da fralda da criança.

O bouquet do cocô é envelhecido, com coloração amarronzada e leves toques de ranho.

O processo começa com a primeira aula, na qual aprende-se que a primeira cagada do rebento é um troço preto-esverdeado, pegajoso e bem nojento chamado mecônio, e continua até a fase do tédio, na qual todo mundo já está cansado de saber que o bebê caga, quantas vezes, em quais quantidades, que horas, e todos os hábitos expletivos da pequena criatura, porém a família não consegue encontrar nenhuma outra merda pra falar e continua falando sobre cocô.

Espero, sinceramente, que o assunto acabe antes que a bebê aprenda a falar sobre fezes na mesa, porque se ela entendesse o que andam falando, iria ficar cheia de merda na cabeça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.